Equação da política provisória: a comunicação na disputa de afetos e votos

  • Maria Helena Weber UFRGS
  • Ana Javes Luz UFRGS
  • Sandra Bitencourt de Barreras UFRGS
Palavras-chave: Eleições 2014; Campanha eleitoral; Síntese do voto

Resumo

O texto analisa as condições políticas e dispositivos comunicacionais que incidiram na disputa entre os candidatos a governador do estado do Rio Grande do Sul (RS) no 2o Turno das eleições de 2014: o candidato vencedor, José Ivo Sartori (PMDB), e seu adversário, Tarso Genro (PT), que pretendia a reeleição. A premissa é de que, em períodos eleitorais, a política se submete a quaisquer estratégias de marketing e propaganda, desde que sem danos à imagem pública dos candidatos e capazes de capturar e fidelizar o eleitor até a urna. Trata-se de um exercício sobre a o processo de construção do candidato ideal, do inimigo e do projeto político, a partir das competências do Horário Gratuito de Propaganda Eleitoral (HGPE), para experimentar a hipótese de que o tempo delimitado e a urgência de mecanismos de persuasão constituem a equação da política provisória, determinada pela combinação entre a síntese política, a síntese pessoal e a síntese comunicacional que traduzem o projeto e o candidato.

Biografia do Autor

Maria Helena Weber, UFRGS

Professora Titular do Departamento de Comunicação e professora orientadora no Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação (UFRGS). Bolsista Pesquisadora 1/ CNPq. Doutora em Comunicação e Cultura (UFRJ, 2000). Mestre em Sociologia (UFRGS,1994). Bacharel em comunicação Social (UFRGS,1973). Coordenadora do Grupo de Pesquisa NUCOP (Núcleo de Comunicação Pública e Política) e do Observatório da Comunicação Pública (OBCOMP). Autora dos livros Comunicação e Espetáculos da Política (2000) e Comunicação Pública e Política - pesquisa e práticas (2017), dentre outras obras de circulação nacional e internacional.

Ana Javes Luz, UFRGS

Jornalista, doutoranda em Comunicação e Informação (UFRGS), integrante do grupo de pesquisa NUCOP (Núcleo de Comunicação Pública e Política) e coordenadora executiva do Observatório da Comunicação Pública (OBCOMP)

Sandra Bitencourt de Barreras, UFRGS

Professora do Centro Universitário Metodista IPA, pesquisadora do grupo de pesquisa NUCOP (Núcleo de Comunicação Pública e Política), doutora em Comunicação e Informação (PPGCOM/UFRGS)

Referências

ALBUQUERQUE, Afonso de. Aqui você vê a verdade na tevê: A propaganda política na televisão. Niterói (RJ): UFF/ MCII, 1999.

ALMEIDA, Jorge. Marketing político, hegemonia e contra-hegemonia. São Paulo: Perseu Abramo/Xamã, 2002

FAUSTO NETO, Antônio e VERÓN, Elíseo. (org). Lula presidente: televisão e política na campanha eleitoral. São Paulo: Hacker, 2003.

FERRAZ, Francisco. Manual completo de campanha eleitoral. Porto Alegre: L&PM, 2003.

FIGUEIREDO, Ney L. Como ganhar uma eleição. São Paulo: Cultura, 1990.

GOMES, Wilson. Transformações da política na era da comunicação de massa. São Paulo: Paulus, 2004.

GRABE, Maria Elisabeth e BUCY, Erick Page. Image bite politics – news and the visual framing of elections. New York: Oxford University Press, 2009.

KLAUS, G. El Lenguaje de los políticos. Barcelona: Anagrama, 1979.

KUNTZ, Ronald. Marketing Político: Manual de campanha eleitoral. São Paulo: Global, 1986.

MENDONÇA, Duda. Casos & Coisas. São Paulo: Globo, 2001.

REES, Laurence. Vende-se Política. Rio de Janeiro: Revan, 1995.

WEBER, Maria Helena. Delitos estéticos (a política na televisão). In: FAUSTO NETO, A. et al. (orgs). Brasil: comunicação, cultura & política. Rio de Janeiro: Diadorim, 1994.

YANAZE, Mitsuro Higuchi (org). Gestão de Marketing e Comunicação – avanços e aplicações. São Paulo: Saraiva, 2006.
Publicado
2018-12-11
Como Citar
Weber, M., Luz, A., & de Barreras, S. (2018). Equação da política provisória: a comunicação na disputa de afetos e votos. Compolítica, 8(2), 41-68. https://doi.org/https://doi.org/10.21878/compolitica.2018.8.2.187