O Judiciário na crise política: os “recados” públicos do Supremo Tribunal Federal

  • Grazielle Albuquerque Unicamp
Palavras-chave: Poder Judiciário, Crise política, Agendamento do Judiciário

Resumo

O artigo tem como objetivo fazer uma análise de conjuntura da crise política brasileira, trazendo um novo elemento como ferramenta analítica: a presença da Justiça na agenda pública, tendo como recorte os “recados” do Supremo Tribunal Federal. Ao se comportar como ator político, além das questões normativas, o Poder Judiciário também se coloca diante do Executivo e do Legislativo fazendo uso da comunicação. Vale destacar que o Judiciário ainda se utiliza de tais “recados” para dar vazão a suas disputas internas, ou seja, o que antes era restrito aos bastidores e ao trâmite processual ganha uma dimensão midiática e pública. Na crise brasileira, esse movimento se intensifica porque ele compreende a capacidade de afirmação política do Judiciário. Assim, propõem-se algumas ideias que auxiliem na compreensão da relação entre Sistema de Justiça e opinião pública ao se pensar a importância do comportamento público do Supremo como parte do jogo político.

Referências

ALBUQUERQUE, Grazielle. Mídia e Justiça no Brasil: o Mapeamento das pautas históricas de uma nova relação. Mediapolis: Revista de Comunicação, Jornalismo e Espaço Público, Coimbra, n. 5, p. 51-73, 2017.
______________. O papel da imprensa na reforma do Judiciário brasileiro. Revista Direito & Práxis, Rio de Janeiro, v. 6, n. 12, p. 413-137, 2015.
______________. O preço de se tornar um ator político: a Justiça no centro da crise política. Le Monde Diplomatique, 2 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 21 mar. 2018.
AMORIM, Felipe. Reunião seria para evitar constrangimento de Cármen Lúcia, diz Celso de Mello. UOL, Política, Brasília, DF, 20 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
ARAÚJO, Bruno Bernardo de. Justiça, media e espaço público: a cobertura jornalística do julgamento do mensalão em Veja e Época. 2013. Dissertação (Mestrado em Comunicação e Jornalismo) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Jornalismo, Universidade de Coimbra, Coimbra, 2013.
ARGULHES, Diego Werneck; RIBEIRO, Leandro Molhano. Ministocracia. O Supremo Tribunal Individual e o processo democrático brasileiro. Novos Estudos CEBRAP [online]. vol.37, n.1, p. 13-32, 2018. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0101-33002018000100013>. Acesso em: 26 maio 2018.
BACELO, Joice. Prisão em 2ª instância pode voltar à pauta com Toffoli na presidência. Valor Econômico, Política, Brasília, DF, 4 abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
BAUM, Lawrence Baum. Judges and their audiences: a perspective on judicial behavior. Princeton: Princeton University, 2008.
BONELLI, Maria da Glória; OLIVEIRA, Fabiana Luci de; MARTINS, Rennê (Org.). Profissões jurídicas, identidades e imagem pública. São Carlos: UFSCar, 2006.
BORGES, Rodolfo. Cármen Lúcia suspende super indulto de Natal de Temer e joga decisão final para fevereiro. El País, São Paulo, 29 dez. 2017. Disponível em: . Acesso em 26 maio 2017.
BRASIL. Ação Direta de Inconstitucionalidade n. 5.874. Brasília, DF: STF, 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
BRASIL. Constituição de 1988. Constituição da República Federativa do Brasil. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Brasília, DF, 5 out. 1988.
BRASIL. Decreto-Lei nº 5.452, de 1º de maio de 1943. Aprova a Consolidação das Leis do Trabalho. Diário Oficial [da] República Federativa do Brasil, Poder Executivo, Rio de Janeiro, RJ, 2 maio 1943.
CALMON, Eliana. Ministra Eliana Calmon pede assepsia contra corrupção no Judiciário. São Paulo: APJ, 2011. Disponível em: . Acesso em: 21 jan. 2017.
CARDOSO, Daiene. Lula segue líder em pesquisa eleitoral; sem petista, Bolsonaro e Marina disputariam 2.º turno. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 6 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
CASADO, Letícia. STF decide por unanimidade restringir foro especial de parlamentares. Folha de S. Paulo, Poder, São Paulo, 3 maio 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
CONJUR. “Se há bandidos de toga, que eles sejam apontados”. Conjur, 28 set. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
CORTEZ, Ana Carolina. Barroso: “Modelo do Brasil não é capitalismo, é socialismo para os ricos”. El País, São Paulo, 24 maio 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
CRUZ, Valdo; CARAM, Bernardo. Cármen Lúcia suspende pontos do decreto de Temer que abrandavam regras para concessão do indulto de Natal. G1, Notícias, Brasília, DF, 28 dez. 2017. Disponível em: . Acesso em 26 maio 2017.
DAVIS, Richard. Justices and Journalist. The U.S. Supreme Court and the Media. Cambridge: Cambridge University, 2011.
DATAFOLHA Instituto de Pesquisas. Eleições 2018: Presidente. Instituto de Pesquisas Datafolha, 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
ESTADÃO. Lula segue líder em intenções de voto com 33,4%, diz CNT/MDA. O Estado de São Paulo, Notícias, São Paulo, 6 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
FALCÃO, Márcio. Precisamos de correções de rumo, diz Marco Aurélio. Jota, Senado Federal, São Paulo, 5 dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
FARIA, José Eduardo. O sistema brasileiro de Justiça: experiência recente e futuros desafios. Estudos Avançados, São Paulo, v. 18, n. 51, p. 103-125, 2004.
_______________. Ordem legal x mudança social: a crise do Judiciário e a formação do magistrado. In: FARIA, José Eduardo. (Org.). Direito e Justiça: a função social do Judiciário. São Paulo: Ática, 1989. p. 95-107.
FOLHA de S. Paulo. Justiça sofre com ‘bandidos de toga’, afirma corregedora. Folha de S. Paulo, São Paulo, 27 set. 2011. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
HELMKE, Gretchen. Courts under Constraints. Judges, Generals, and Presidents in Argentina. Cambridge: Cambridge University, 2005.
IG. Mesmo condenado, Lula mantém liderança em pesquisa eleitoral; Bolsonaro cresce. IG São Paulo, Último Segundo, São Paulo, 6 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio. 2018.
KOERNER, Andrei; MACIEL, Débora Alves. Sentidos da judicialização da política: duas análises. Lua Nova, n. 57, p. 113-134, 2002.
LIPPMANN, Walter. Opinião pública. Petrópolis: Vozes, 2010.
MARTINO, Luís Mauro Sá. Teoria da comunicação: ideias, conceitos e métodos. Petrópolis: Vozes, 2014.
McCOMBS, Maxwell E.; SHAW, Donald L. The agenda-setting function of mass media. Public Opinion Quarterly, v. 36, n. 2, p. 176-187, 1972.
MENDES, Conrado Hübner. Na prática ministros do STF agridem a democracia, escreve professor da USP. Folha de São Paulo, São Paulo, 28 jan. 2018. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.
MOREIRA, Renan da Silva. Judiciário e mídia: Estado e Jornalismo em luta por legitimidade na esfera penal. 2014. Dissertação (Mestrado em Ciências Criminais) – Programa de Pós-Graduação em Ciências Criminais, Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2014.
NETZEL, Mateus; KRÜGER, Ana; BARBIÉRI, Luiz Felipe. STF se apequena se revisar prisão em 2ª Instância por Lula, diz Cármen Lúcia. Poder 360, 30 jan. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
NUNOMURA, Eduardo Yoshio. O mensalão impresso: o escândalo político-midiático do governo Lula nas páginas de Folha e Veja. Dissertação (Mestrado em Comunicação) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2012.
OLIVEIRA, Fabiana Luci de. O Supremo Tribunal Federal: discurso interno versus imagem pública. In: BONELLI, Maria da Glória; OLIVEIRA, Fabiana Luci de; MARTINS, Rennê (Org.). Profissões jurídicas, identidades e imagem pública. São Carlos: UFSCar, 2006. p. 61-92.
OMS, Carolina; MAGRO, Maira; MENDONÇA, Ricardo. Maioria do STF decide manter Renan na presidência do Senado. Valor Econômico, Brasília, DF, 7 dez. 2016. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
POMPEU, Ana. Celso tentou reunião para evitar expor Cármen, mas “não houve interesse”. Consultor Jurídico: Notícias. 20 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 5 maio 2018.
SADEK, Maria Tereza Aina. Estudos sobre o Sistema de Justiça. In: MICELI, Sérgio (Ed.). O que ler na ciência social brasileira. São Paulo: Sumaré, 2002, v. 4. p. 233-265.
_______________. O Sistema de Justiça. In: MICELI, Sérgio (Ed.). O Sistema de Justiça. São Paulo: IDESP/Sumaré, 1999. p. 1-23.
SANTOS, Boaventura Santos. Introdução a uma ciência pós-moderna. 5. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1989.
SILVA, Carlos Eduardo Lins da. Teoria da opinião pública. In: CITELLI, Adilson et al. (Org.). Dicionário de comunicação: escolas, teorias e autores. São Paulo: Contexto, 2014. p. 439-448.
SINHORETTO, Jacqueline; ALMEIDA, Frederico de. Reforma do Judiciário: entre legitimidade e eficiência. In: SILVA, Felipe Gonçalves; RODRIGUEZ, José Rodrigo (Org.). Manual de sociologia jurídica. São Paulo: Saraiva, 2013. p. 197-218.
SOUZA, André de. Decano alerta para possível constrangimento de Cármen Lúcia sobre 2ª instância. O Globo, São Paulo, 20 mar. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
URIBE, Gustavo; BOGHOSSIAN, Bruno. Temer pede novo decreto de indulto natalino que atenda o STF, diz ministro. Folha de S. Paulo, Poder, São Paulo, 28 dez. 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
VALLONE, Giuliana. Interrupções da fala de Rosa Weber explicitam recorrência da ‘explicação masculina’. Folha de S. Paulo, Análise, São Paulo, 5 abr. 2018. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
VENTURINI, Lilian. Por que o Supremo bancou afastar Cunha, mas não banca afastar Aécio. Nexo, Expresso, 30 ago. 2017. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
VIANNA, Luiz Werneck et al. A judicialização da política e das relações sociais no Brasil. Rio de Janeiro: Revan, 2014.
WINTER, Brian. Paladina contra “bandidos de toga” na Justiça brasileira. G1, Política, Brasília, DF, 11 set. 2012a. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
_______________. Paladina contra “bandidos de toga” na Justiça brasileira. O Estado de S. Paulo, São Paulo, 11 set. 2012b. Disponível em: . Acesso em: 26 maio 2018.
YANUS, Alixandra B. Full-Court Press: an examination of media coverage of State Supreme Courts. Justice System Journal, v. 30, n. 2, 2009.
Publicado
2018-12-11
Como Citar
Albuquerque, G. (2018). O Judiciário na crise política: os “recados” públicos do Supremo Tribunal Federal. Compolítica, 8(2), 207-232. https://doi.org/https://doi.org/10.21878/compolitica.2018.8.2.204
Seção
Prêmio Compolítica