Mulheres negras e imprensa feminista: vozes, interseccionalidade e cidadania

  • Viviane Gonçalves Freitas Universidade Federal de Minas Gerais
Palavras-chave: Interseccionalidade, Imprensa feminista, Mulheres negras.

Resumo

Este artigo busca compreender como a discussão interseccional se configura em veículos da imprensa feminista, tornando-se uma necessidade premente para o questionamento de um olhar direcionado e padronizador de experiências vivenciadas por um restrito grupo de mulheres – em sua maioria, brancas, heterossexuais e de classe média. Nzinga Informativo e Nós, Mulheres da Periferia são exemplos elucidativos quanto à aplicabilidade do conceito de interseccionalidade na imprensa feminista brasileira, ao trazer a agenda de raça, classe e gênero, a partir das vozes das mulheres negras, nas lutas por direitos.

Referências

Barreto, Raquel de Andrade. Enegrecendo o feminismo ou feminizando a raça: narrativas de libertação em Angela Davis e Lélia Gonzalez. 2005. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro, Departamento de História, Rio de Janeiro.

Biroli, Flávia; Miguel, Luis Felipe. Gênero, raça, classe: opressões cruzadas e convergências na reprodução das desigualdades. Mediações, Londrina, v.20, n.2, p.27-55, jul./dez. 2015.

Borges, Adélia. Mulherio, um jornal feminista. Comunicação e Sociedade, São Paulo, n.8, p.125-133, nov./1982.

Buitoni, Dulcília Schroeder. Mulher de papel: a representação da mulher pela imprensa feminina brasileira. São Paulo: Summus, 2009.

Cardoso, Elizabeth. Imprensa feminista brasileira pós-1974. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.12, número especial, p.37-55, set./dez. 2004.

Carneiro, Sueli. Mulheres em movimento. Estudos Avançados, São Paulo, v.17, n.49, p.117-132, 2003.

_____________. O matriarcado da miséria. In: Carneiro, Sueli. Racismo, sexismo e desigualdade no Brasil. São Paulo: Selo Negro, 2011. p.127-130.

Collins, Patricia Hill. Aprendendo com a outsider within: a significação sociológica do pensamento feminista negro. Revista Sociedade e Estado, Brasília, v.31, n.1, p.99-127, jan./abr. 2016.

________________. Rasgos distintos del pensamiento feminista negro. In: Jabardo, Mercedes (Ed.). Feminismos negros: una analogía. Madrid: Traficantes de Sueños, 2012. p.99-134.

Costa, Joaze Bernardino. Controle de vida, interseccionalidade e política de empoderamento: as organizações políticas das trabalhadoras domésticas no Brasil. Estudos Históricos, Rio de Janeiro, v.26, n.52, p.471-489, jul./dez. 2013.

Crenshaw, Kimberlé. A interseccionalidade na discriminação de raça e gênero. s.d. Disponível em: . Acesso em: 16 dez. 2015.

_________________. Documento para o Encontro de especialistas em aspectos da discriminação racial relativos ao gênero. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, v.10, n.1, p.171-187, 2002.

Davis, Angela. Mulheres, raça e classe. Trad. Heci Regina Candiani. São Paulo: Boitempo, 2016.

Fraser, Nancy. Repensando la esfera pública: una contribución a la crítica de la democracia actualmente existente. Revista Ecuador Debate, Quito-Ecuador, n.46, p.139-173, abr. 1999.

Freitas, Viviane Gonçalves. De qual feminismo estamos falando? Desconstruções e reconstruções das mulheres, via imprensa feminista brasileira, nas décadas de 1970 a 2010. 2017. Tese (Doutorado) – Universidade de Brasília, Instituto de Ciência Política, Brasília.

Godard, Barbara. Feminist periodicals and the production of cultural value: the Canadian context. Women’s Studies International Forum, Oxford; New York, v.25, n.2, p.209-223, 2002.

Gonzalez, Lélia. Mulher negra. Afrodiáspora, Brasília, v.6 e 7, n.19, p.94-106, 1985.

_________________. O movimento negro na última década. In: GONZALEZ, Lélia; HASENBALG, Carlos. Lugar de negro. Rio de Janeiro: Marco Zero, 1982. p.9-66.

_________________. Racismo e sexismo na cultura brasileira. Revista Ciências Sociais Hoje, São Paulo, p.223-244, 1984.

hooks, bell. Intelectuais negras. Revista Estudos Feministas, Florianópolis, p.464-478, 2.sem. 1995.

Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA) et al. Retratos da desigualdade de gênero e raça. 5.ed. Brasília: IPEA, 2017. Disponível em: . Acesso em: 19 jul. 2017.

Instituto de Pesquisa Econômica e Aplicada (IPEA); Fórum Brasileiro de Segurança Pública (FBSP). Atlas da Violência 2018. Rio de Janeiro: IPEA, 2018. Disponível em: . Acesso em: 29 jun. 2018.

Kucinski, Bernardo. Jornalistas e revolucionários: nos tempos da imprensa alternativa. São Paulo: Página Aberta, 1991.

Marques, Ângela Cristina Salgueiro; Freitas, Viviane Gonçalves. Gênero, autonomia e subjetivação política de mulheres negras no Brasil. Líbero, São Paulo, n.40, p.16-28, ago./dez. 2017.

Pinto, Céli Regina Jardim. Uma história do feminismo no Brasil. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2007.

Ratts, Alex; Rios, Flávia. Lélia Gonzalez. São Paulo: Selo Negro, 2010.

Ribeiro, Djamila. O que é lugar de fala? Belo Horizonte: Letramento: Justificando, 2017.

Rios, Flavia. A cidadania imaginada pelas mulheres afro-brasileiras: da ditadura militar à democracia. In: Blay, Eva Alterman; Avelar, Lúcia (Org.). 50 anos de feminismo: Argentina, Brasil e Chile, a construção das mulheres como atores políticos e democráticos. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, FAPESP, 2017, p.227-253.

Rios, Flavia; Freitas, Viviane Gonçalves. Nzinga Informativo: redes comunicativas e organizacionais na formação do feminismo negro brasileiro. Cadernos Adenauer, São Paulo, n.1, p.25-45, 2018.

Rios, Flavia; Ratts, Alex. A perspectiva de Lélia Gonzalez. In: PINTO, Ana Flávia Magalhães; Chalhoub, Sidney (Org.). Pensadores negros – pensadoras negras: Brasil, séculos XIX e XX. Cruz das Almas: EDUFRB; Belo Horizonte: Fino Traço, 2016, p.387-403.

Rodrigues, Cristiano Santos; PRADO, Marco Aurélio Maximo. Movimento de mulheres negras: trajetória política, práticas mobilizatórias e articulações com o estado brasileiro. Psicologia & Sociedade, Belo Horizonte, v.22, n.3, p.445-456, 2010.

Varikas, Eleni. O que é um pária? In: VARIKAS, Eleni. A escória do mundo: figuras do pária. São Paulo: Editora Unesp, 2014. p.69-94.

Viana, Elizabeth do Espírito Santo. Lélia Gonzalez e outras mulheres: pensamento feminista negro, antirracismo e antissexismo. Revista da ABPN, Rio de Janeiro, v.1, n.1, p.52-63, mar./jun. 2010.

______________________. Relações raciais, gênero e movimentos sociais: o pensamento de Lélia Gonzalez (1970-1990). 2006. Dissertação (Mestrado) – Universidade Federal do Rio de Janeiro, Departamento de História, Instituto de Filosofia e Ciências Sociais, Rio de Janeiro.

Werneck, Jurema. Nossos passos vêm de longe! Movimentos de mulheres negras e estratégias políticas contra o sexismo e o racismo. Revista da ABPN, Rio de Janeiro v.1, p.8-17, mar./jun. 2010.
Publicado
2018-12-11
Como Citar
Freitas, V. (2018). Mulheres negras e imprensa feminista: vozes, interseccionalidade e cidadania. Compolítica, 8(2), 145-170. https://doi.org/https://doi.org/10.21878/compolitica.2018.8.2.211