O sujeito alienado em 3D

Mídias sociais e a dominação econômica, política e cultural no capitalismo contemporâneo.

  • Claudio Luis de Camargo Penteado Universidade Federal do ABC (UFABC)
  • Rafael Akio de Miranda Pinto Universidade Federal do ABC (UFABC)
Palavras-chave: Mídias sociais, cultura da conectividade, comodificação, vigilância, modulação da subjetividade

Resumo

Este texto trata da produção de um novo sujeito alienado através da reconfiguração do capitalismo contemporâneo. Pelo exame do impacto das Tecnologias de Informação e Comunicação da atualidade, nas lógicas de exercício do poder pelo capital, é apresentado como a cooptação material e ideológica da internet cria um sistema de dominação tridimensional (econômica política e cultural). Por fim, sugere como grandes empresas de tecnologia, motivadas pelo lucro, comodificam a sociabilidade dos indivíduos através de mídias sociais, fazendo com que todo o produto social nesses ambientes seja alienado do indivíduo, ao ser espoliado, processado e convertido em valor.

Referências

AMORIM, P. K. D. F. Democracia e internet: a transparência de gestão nos portais eletrônicos das capitais brasileiras. 2012. 348 p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Cultura contemporâneas, Faculdade de Comunicação, Universidade Federal da Bahia. Salvador, 2012.
ANDERSON, C.; WOLF, M. The Web is dead. Long live the Internet. Wired. Disponível em: <http://www.wired.com/magazine/2010/08/ff_webrip/all/1>, 2010. Acesso em: 24 de abr. de 2019.
BARBROOK, R.; CAMERON, A. The californian ideology. In: BARBROOK, R.; CAMERON, A. The Internet Revolution. From Dot-com Capitalism to Cybernetic Communism. Amsterdam:
Network Notebooks #10, 2015.
BARBERÁ, P. How social media reduces mass political polarization. Evidence from Germany, Spain, and the U.S. Disponível em: <http://citeseerx.ist.psu.edu/viewdoc/summary?doi=10.1.1.658.5476>, 2015. Acesso em: 18 de mar. de 2020.
BAUMAN, Z. Vida para consumo: a transformação das pessoas em mercadorias. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2008.
BENKLER, Y. The Wealth of Networks: How Social Production Transforms Markets and Freedom. Yale University Press, 2006.
CADWALLADR, Carole; GRAHAM-HARRISON, Emma. Revealed: 50 million Facebook profiles harvested for Cambridge Analytica in major data breach. The guardian. Disponível em
<https://www.theguardian.com/news/2018/mar/17/cambridge-analytica-facebook-influence-us-election>, 2018, Acesso em: 24 de abr. de 2019.
CASTELLS, M. Sociedade em Rede. Vol. I. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
CASTELLS, M. A galáxia da Internet: reflexões sobre a Internet, os negócios e a sociedade. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Ed., 2003.
CASTELLS, M. Communication power. New York: Oxford University Press, 2009.
CASTELLS, M . Redes de indignação e esperança: movimentos sociais na era da internet. São Paulo: Zahar, 2013.
CASTELLS, M. Ruptura: A crise da democracia liberal. São Paulo: Zahar, 2018.
DELEUZE, G. Post-Scriptum - sobre as sociedades de controle. In: Conversações. São Paulo: Editora 34, 1990.
DOLATA, U. Internet Companies: Market Concentration, Competition and Power. In: Collectivity and Power on the Internet. Springer, Cham, p. 85-108, 2018.
FOUCAULT, M. O nascimento da Biopolítica. São Paulo: Martins Fontes, 2008.
FRASER, Nancy. Da redistribuição ao reconhecimento? Dilemas da justiça numa era “pós-socialista”. Cadernos de Campo, São Paulo, n. 14/15, p. 1-382, 2006.
FUCHS, C.; SEVIGNANI, S., What is digital labour? What is digital work? What’s the difference? And why do these questions matter for understanding the social media? tripleC: Capitalism, Communication & Critique. n.11, p. 237-293, 2013.
FUCHS, C. Digital prosumption labour on social media in the context of the capitalist regime of time. Newbury Park: SAGE Journal, 2013.
FUCHS, C. Digital Labour and Karl Marx. New York: Routledge. 2014.
FUCHS, C. The Digital Labour Theory of Value and Karl Marx in the Age of Facebook, YouTube, Twitter, and Weibo. In: FISHER, Eran; FUCHS, Christian (Orgs). Reconsidering value and labour in the digital age. Basingstoke: Palgrave Macmillan. 2015.
FUCHS, C. Em direção a uma problemática marxista de estudos sobre a internet. Revista Crítica Marxista, Campinas, n. 43, p. 67–93, out. 2016.
FUCHS, C.; SANDOVAL, M. Trabalhadores digitais do mundo inteiro uni-vos: teorizando e analisando criticamente o trabalho digital. Parágrafo. jul./dez.2015 v. 2, n. 3, 2015.
FUMAGALLI, A.; LUCARELLI, S.; MUSOLINO, E.; ROCCHI, G. Digital Labour in the Platform Economy: The Case of Facebook. Sustainability, v.10, n. 1757, 2018.
GILLESPIE, T. The relevance of algorithms. In: In: GILLESPIE, T., BOCZKOWSKI, P., FOOT, K. (Orgs.). Media technologies: Essays on communication, materiality, and society. MIT Press, Massachusetts, p. 167– 193, 2014.
GORZ, A. O imaterial: conhecimento, valor e capital. São Paulo: Annablume, 2005.
KAPLAN, A.M.; HAENLEIN, M. Users of the world, unite! The challenges and opportunities of social media. Business Horizons, v. 53 n. 1, p. 59-68, 2010.
LANGLEY, P.; LEYSHON, A. Platform capitalism, The intermediation and capitalisation of digital economic circulation. Finance and Society, EarlyView, p. 1-21, 2016.
LAZZARATO, M. Signos, Máquinas, Subjetividades. São Paulo: SESC, 2014.
LEMOS, A.; LEVY, P. O futuro da Internet: em direção a uma ciberdemocracia planetária. São Paulo: Paulus, 2010.
MACHADO, Débora Franco. Mediações algorítmicas: o poder de modulação dos algoritmos do Facebook. Parágrafo, v. 6, n. 1, p. 43-55, 2018.
MACHADO, J. A. S. Ativismo em rede e conexões identitárias: novas perspectivas para os movimentos sociais. Sociologias, Porto Alegre, n.18, jul./dez. 2007.
MARQUES, R. M. Contribuições à crítica da noção de trabalho digital (digital labour) e Christian Fuchs In: Colóquio Internacional Marx e o Marxismo 2017, Niterói (RJ). Anais do Colóquio Internacional Marx e o Marxismo 2017. Niterói: UFF, 2017.
MARX, K. O capital, Vol. 1. São Paulo: Boitempo, 2013.
MÉSZÁROS, István. A Teoria da Alienação em Marx. São Paulo: Boitempo, 2006.
MEIJER, A. Understanding Modern Transparency. International Review of Administrative Sciences, vol. 75(2), p. 255-269, 2009.
MOROZOV, E. The Net Delusion: The Dark Side of Internet Freedom. New York: PublicAffairs, 2012.
MOROZOV, E. Big Tech: A ascensão dos dados e a morte da política. São Paulo: Ubu Editora, 2018.
OLMA, S. Never Mind the Sharing Economy: Here’s Platform Capitalism. Publicação On-line em Institute of network Cultures. 2014.
POSTPONE, M. Tempo, trabalho e dominação social. São Paulo: Boitempo, 2014.
RECUERO, R. C. Comunidades em redes sociais na internet: proposta de tipologia baseada no fotolog.com. 2006. 334p. Tese (Doutorado) – Programa de Pós-Graduação em Comunicação e Informação, Universidade Federal do Rio Grande do Sul. Porto Alegre, 2006.
SAMPAIO, R. C. Participação política e os potenciais democráticos da internet. Debates, Porto Alegre, v.4, n.1, p. 29-53, jan./jun. 2010.
SIBILIA, P. O show do eu. Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 2008.
SILVEIRA, S. A. Tudo sobre tod@s: Redes digitais, privacidade e venda de dados pessoais. eBook Kindle. 2017a.
SILVEIRA, S. A. Governo dos algoritmos. Revista de Políticas Públicas, Manaus, v. 21, n. 1, p. 267-282, jul./dez. 2017b.
SUNSTEIN, C. R. The Cost-Benefit Revolution. MIT Press, Massachusetts, 2018.
TOURAINE, A. Na fronteira dos movimentos sociais. Sociedade e Estado, Brasília, v. 21, n. 1, p. 17-28, jan./abr. 2006.
VAN DIJCK, J. The Culture of Connectivity: A Critical History of Social Media. New York: Oxford University Press, 2013.
WEARESOCIAL. Global Digital Report 2018: World’s Internet users pass the 4 billion mark. Disponível em: <https://digitalreport.wearesocial.com/download>. Acesso em: 13 de out. De 2018.
ZUBOFF, S. Big other: surveillance capitalism and the prospects of an information civilization. Journal of Information Technology, n. 30, p. 75-89, 2015.
Publicado
2020-09-23
Como Citar
Penteado, C. L., & de Miranda Pinto, R. A. (2020). O sujeito alienado em 3D. Compolítica, 10(2), 85-108. https://doi.org/https://doi.org/10.21878/compolitica.2020.10.2.298