Tecnologias de Informação e Comunicação, Ativismo e Movimentos Sociais

uma revisão crítica da literatura brasileira (2010-2017) na perspectiva do campo de estudos de movimentos sociais

  • Bianca de Oliveira Ruskowski Instituto Federal Sul-rio-grandense
  • Camila Farias da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Eduardo Georjão Fernandes Centro Universitário Uniftec
  • Marcelo Kunrath da Silva Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Matheus Mazzilli Pereira Universidade Vila Velha
Palavras-chave: Tecnologias de Informação e Comunicação, movimentos sociais, ativismo

Resumo

Significativas mudanças nos processos de organização e/ou mobilização social contestatória relacionadas à incorporação das Tecnologias de Informação e Comunicação (TICs) ocorreram na última década, fomentando esforços de pesquisa para a identificação e análise dessas mudanças. O objetivo deste artigo é analisar a literatura brasileira que aborda o tema das TICs a partir da perspectiva do campo de estudos de movimentos sociais. Para responder a esse objetivo, foi realizada uma análise sistemática da literatura acadêmica brasileira recente (2010-2017). Tal análise identifica diversas lacunas e fragilidades na literatura, destacando-se uma significativa desconsideração dessa literatura em relação ao conhecimento acumulado pelo campo de estudos de movimentos sociais. Conclui-se o artigo com algumas sugestões no sentido de enfrentar aquela desarticulação e avançar na construção de um campo estruturado de pesquisa empírica e formulação teórica sobre as relações entre TICs e processos de organização e/ou mobilização social contestatória no Brasil.

Referências

ABEND, G. Styles of Sociological Thought: Sociologies, Epistemologies, and the Mexican and U.S. Quests for Truth. Sociological Theory, 24:1, p.1-41, March 2006.
ALVESSON, M.; SANDBERG, J. Constructing Research Questions: Doing Interesting Research. London: Sage, 2013.
ALONSO, A. Repertório, segundo Charles Tilly: história de um conceito. Sociologia e Antropologia, v. 2-3, p. 21–41, 2012.
BENFORD, R. D.; SNOW, D. A. Framing Processes and Social Movements: An Overview and Assessment. Annual Review of Sociology, v. 26, n. 1, p. 611–639, 2000.
BENNETT, W. L.; SEGERBERG, A. The Logic of Connective Action. Information, Communication & Society, 15:5, p.739-768, 2012.
BENNETT, W. L.; SEGERBERG, A.; WALKER, S. Organization in the crowd: peer production in large-scale networked protests. Information, Communication & Society, v. 17 n. 2, p. 232-260, 2014.
BLOOMFIELD, B. P.; LATHAM, Y.; VURDUBAKIS, T. Bodies, Technologies and Action Possibilities: When is an Affordance? Sociology, 44, p. 415-433, 2010.
BOYD, D., CRAWFORD, K. Critical Questions for Big Data. Information, Communication & Society, 15:5, 662-679, 2012.
BRASIL. Presidência da República. Secretaria de Comunicação Social. Pesquisa brasileira de mídia 2015: hábitos de consumo de mídia pela população brasileira. Brasília: Secom, 2014.
CAMPANELLA, B., & BARROS, C. Etnografia e consumo midiático: novas tendências e desafios metodológicos [recurso eletrônico]. (E-papers, Ed.). Rio de Janeiro, 2016.
CASTELLS, M. A Sociedade em Rede. São Paulo: Paz e Terra, 1999.
CRISTANCHO, C.; ANDUIZA, E. Connective Action in European Mass Protest. Paper prepared to be presented at the ECPR Joint Sessions of Workshops Mainz, 11-16 March 2013.
EARL, J.; KIMPORT, K.; PRIETO, G.; RUSH, C.; REYNOSO, K. Changing the world one webpage at a time: conceptualizing and explaining internet activism. Mobilization: An
International Quarterly, v. 15, n. 4, p. 425-446, 2010.
EARL, J. Studying Online Activism: The Effects of Sampling Design on Findings. Mobilization: An International Quarterly, v. 18, n. 4, p. 389-406, 2013.
EVANS, S. K.; PEARCE, K. E.; VITAK, J.; TREEM, J. W. Explicating Affordances: A Conceptual Framework for Understanding Affordances in Communication Research. Journal of Computer-Mediated Communication, 22, pp. 35–52, 2017.
FRAGOSO, S.; RECUERO, R.; AMARAL, A. Métodos de Pesquisa para Internet. Porto Alegre: Sulina, 2016.
GEDDES, B. Paradigms and Sand Castles: Theory Building and Research Design in Comparative Politics. Ann Arbor: The University of Michigan Press, 2003.
GERBAUDO, P. Protest avatars as memetic signifiers: political profile pictures and the construction of collective identity on social media in the 2011 protest wave. Information, Communication & Society, v. 18, n. 8, p. 916–929, 2015.
GSCHWEND, T.; SCHIMMELFENNIG, F. (Eds.). Research Design in Political Science: How to Practice What They Preach. New York: Palgrave Macmillan, 2007.
HUTCHBY, I.. Technologies, Texts and Affordances. Sociology, Vol. 35, No. 2, pp. 441–456, 2001.
HINE, C. Estratégias para etnografia da internet em estudos de mídia. In: Campanella, B., & Barros, C. Etnografia e consumo midiático: novas tendências e desafios metodológicos [recurso eletrônico]. (E-papers, Ed.). Rio de Janeiro, 2016.
MELUCCI, A. The Process of Collective Identity. In: JOHNSTON, H.; KLANDERMANS, B. (Eds.). Social Movements and Culture: Social Movements, Protest, and Contention.
Minneapolis: University of Minnesota Press, 1995. p. 41–63.
MEYER, D. S.; STAGGENBORG, S. Movements, Countermovements, and the Structure of Political Opportunity. American Journal of Sociology, v. 101, n. 6, p. 1628, 1996.
OLIVEIRA, G. de L. A Mudança de Escala na Mobilização dos Atingidos por Barragens. [Tese de Doutorado]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul, 2016.
PEREIRA, M. M.; SILVA, C. F. da. Ação Contenciosa: repertórios, táticas e performances. IN: Anais do 18o Congresso Brasileiro de Sociologia. Brasília, 2017.
PERRUSO, M. A. Em Busca do“Novo”: Intelectuais Brasileiros e Movimentos Populares nos Anos 1970/90. São Paulo: Annablume, 2009.
POLLETTA, F.; JASPER, J. M. Collective Identity and Social Movements. Annual Review of Sociology, v. 27, p. 283–305, 2001.
QUAN-HAASE, A.; SLOAN L. (dir.). The SAGE handbook of social media research methods. Thousand Oaks, CA: Sage Publications, 2017.
RAINIE, L.; WELLMAN, B. Networked - The New Social Operating System. Cambridge: The MIT Press, 2012.
SAMPAIO, R. C.; BRAGATTO, R. C.; NICOLÁS, M. A. A construção do campo de internet e política: análise dos artigos brasileiros apresentados entre 2000 e 2014. Revista Brasileira de Ciência Política, n. 21. Brasília, setembro - dezembro de 2016, pp 285-320.
SAMPAIO, R. C. et al. Ciberpolítica, Ciberativismo e Cibercultura: uma análise dos papers apresentados no grupo de trabalho da Anpocs. BIB, n.85, p.126-147, 2018.
SAWICKI, F.; SIMEANT, J. Inventário da sociologia do engajamento militante: Nota crítica sobre algumas tendências recentes dos trabalhos franceses. Sociologias, vol.13, n.28, p. 200-255. 2011.
SILVA, M. K.; RUSKOWSKI, B. de O. Condições e mecanismos do engajamento militante: um modelo de análise, Revista Brasileira de Ciência Política, n. 21, p. 187-226, 2016.
SILVA, M. K.; RUSKOWSKI, B. Levante juventude, juventude é prá lutar: redes inter-pessoais, esferas de vida e identidade na constituição do engajamento militante. Revista Brasileira de Ciência Política (Impresso), v. 3, p. 23-48, 2010.
SILVA, T., & STABILE, M. Monitoramento e pesquisa em mídias sociais: metodologias, aplicações e inovações. Uva Limão, 2016.
THEOCHARIS, Y. The Conceptualization of Digitally Networked Participation. Social Media + Society, p. 1 –14, July-December, 2015.
TILLY, C. Regimes and Repertoires. Chicago e Londres: The University of Chicago Press, 2006.
TRERÉ, E. Reclaiming, proclaiming, and maintaining collective identity in the #YoSoy132 movement in Mexico: an examination of digital frontstage and backstage activism through social media and instant messaging platforms. Information, Communication & Society, v. 18, n. 8, p. 901-915, 2015.
VAN DETH, J. W. A conceptual map of political participation. Acta Politica, v. 49, p. 349–367, 2014.
Publicado
2020-09-23
Como Citar
Ruskowski, B., da Silva, C., Fernandes, E., da Silva, M., & Pereira, M. (2020). Tecnologias de Informação e Comunicação, Ativismo e Movimentos Sociais. Compolítica, 10(2), 43-84. https://doi.org/https://doi.org/10.21878/compolitica.2020.10.2.377